Loading Player...


Você está ouvindo uma transmissão ao vivo ...
OUÇA EM OUTROS DISPOSITIVOS:
OR Choose your mobile to Tune-In

SEGURANÇA PÚBLICA TRAÇA ESTRATÉGIAS PARA IMPLANTAR PLANO NACIONAL DE REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA NO RN

segurança rn

RN juntamente com os estados de Sergipe e Rio Grande do Sul será pioneiro na implantação dessa iniciativa.

Como forma de combater a criminalidade, o Governo do Estado começou a traçar, nesta terça-feira (29), estratégias para dar continuidade às ações que vão compor o Plano Nacional de Segurança. O RN juntamente com os estados de Sergipe e Rio Grande do Sul será pioneiro na implantação dessa iniciativa.

Previsto para entrar em vigor em janeiro de 2017, o Plano visa por em prática um pacto nacional de redução da violência. Para começar a discutir as diretrizes, representantes da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) e integrantes da cúpula da segurança pública estadual se reuniram na sede do Governo do RN, nesta terça.

Na reunião, os agentes de segurança começaram a elaborar um diagnóstico da situação enfrentada pelo estado no âmbito da criminalidade. Desta forma, eles esperam adequar e as ações propostas pelo plano à realidade do estado.

De acordo com o secretário estadual de segurança pública, Caio Bezerra, outras reuniões serão realizadas até o dia 16 de dezembro, quando eles devem concluir esse diagnóstico. Com o documento em mãos, a situação do RN será encaminhada para o Ministério da Justiça, que se encarregará de liberar os recursos e o envio de efetivo para por em prática as ações.

“A ideia é mapear a realidade do estado no que diz respeito à violência e assim ter uma dimensão do que será necessário para implementar o plano aqui no RN”, explicou.

Para o coordenador geral de articulação e integração da Senasp, Humberto Freire, a elaboração desse diagnóstico de forma integrada, incluindo as diferentes esferas da segurança pública, é o grande diferencial, pois vai proporcionar ações em várias frentes.

Segundo ele, os recursos para a efetivação do plano serão oriundos, do Fundo Nacional Penitenciário, do Fundo Nacional de Segurança Pública, do próprio Ministério da Justiça e das secretarias estaduais.

Portal no Ar

Publicidade: