Loading Player...


Você está ouvindo uma transmissão ao vivo ...
OUÇA EM OUTROS DISPOSITIVOS:
OR Choose your mobile to Tune-In

GOVERNO DIMINUI BENEFICIO E EMPRESA PAGARÁ MAIS IMPOSTO

fabrica

Fábrica de confecções no RN: O setor é um dos que terão a alíquota elevada a partir de junho

São Paulo (AE) – Sob pressão para fechar as contas públicas no azul neste ano, o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, anunciou ontem um pacote de aumento de impostos e redução de benefícios a empresas.

O governo mais do que dobrou as alíquotas cobradas das companhias que receberam o benefício da desoneração da folha de pagamentos. As empresas, que pagavam entre 1% e 2% sobre a receita bruta, passarão a pagar 2,5% a 4,5%, a partir de junho. Levy abriu uma porta antes fechada: as companhias podem, agora, voltar ao regime anterior de tributação, com taxação direta da folha de pagamentos, caso entendam que a alta do imposto sobre a receita inviabilizou o antigo benefício.

A alta das alíquotas resultará em ganho para o Tesouro de R$ 5,3 bilhões neste ano, a partir de junho, e de R$ 12,3 bilhões em 2016. Junto com a outra medida anunciada na quinta-efira, de redução de subsídios a exportadores, o ganho será de R$ 7,1 bilhões este ano e R$ 15,8 bilhões em 2016.

O conjunto de medidas de ajuste fiscal já anunciado por Levy representa uma economia de R$ 45,7 bilhões neste ano.

Ao anunciar a medida, o ministro fez várias críticas ao programa de desoneração. “A troca entre a folha e o faturamento não era muito vantajosa. O problema é que se aplicou um negócio que era muito grosseiro, com empresas que ganhavam muito, outras que ganhavam pouco e algumas que não ganharam nada.”

Custo
Segundo o ministro, essa “brincadeira” custou R$ 25 bilhões aos cofres do governo. Segundo ele, quando o regime de desonerações foi criado, a “presunção” era de neutralidade na arrecadação, mas aos poucos o governo foi “aumentando, aumentando, aumentando” o número de empresas, resultando num sistema muito desigual entre as companhias.

A desoneração começou a ser adotada em 2011 como “saída” para o aumento da competitividade e manutenção de empregos. No ano passado, a presidente Dilma Rousseff tornou o benefício permanente, autorizando a ampliação dos segmentos beneficiados. A renúncia fiscal chegou a R$ 25 bilhões em 2014.

Na quinta-feira, Levy também anunciou que devolverá menos dinheiro aos exportadores no programa Reintegra. Criado em 2012, o mecanismo devolvia o equivalente a 3% do crédito tributário gerado pela indústria exportadora. Agora, a devolução cairá a apenas 1% a partir de segunda-feira. Haverá uma economia de R$ 1,8 bilhão neste ano.

Reação do mercado
“O aumento da alíquota terá como consequência mais custos para toda a cadeia produtiva e culminará no repasse para todos os consumidores, aumentando a inflação e, seguramente, contribuindo para a redução de empregos. A já altíssima carga tributária penaliza o varejo, o maior empregador privado do Brasil”.
Flávio Rocha – Vice-presidente do Instituto para Desenvolvimento do Varejo (IDV) e presidente da Riachuelo

“Para um setor que vem perdendo a competitividade é mais uma medida de impacto expressivo sobre sua capacidade de enfrentar os desafios da competitividade global. Tal medida gerará forte impacto para a indústria e para a economia nacional, com consequências inclusive para a manutenção de empregos”.
Da Confederação Nacional da Indústria (CNI) – Em nota

“A tributação em 1% representava uma economia de R$ 300 milhões anuais para as companhias aéreas, setor que tem custos operacionais elevadíssimos, margens de lucratividade muito apertadas e cuja eficiência interna está sendo levada ao máximo. A mudança da desoneração da folha preocupa muito o setor”.
Eduardo Sanovicz – Presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear)

Fonte:TN

Publicidade: